O sucesso é cansativo - Mary Schultze

Houve uma época em que experimentei um razoável sucesso como empresária. Assinava uma linha de cosméticos que era vendida em todo o Brasil e como as fórmulas eram do meu marido - um especialista no assunto (diplomado em Química Industrial , na Universidade de Tübingen, Alemanha) - a qualidade desses produtos era excelente e muito apreciada e recomendada.
Tomei parte em muitos congressos de Estética e Cosmetologia e era sempre bem recebida e elogiada pelas clientes, o que me deixava realizada, porque via o reconhecimento do meu trabalho naquele ramo de negócios.
.
Até que, em outubro de 1983, aconteceu o Congresso Internacional de Estética e Cosmetologia, onde montamos (minha filha Margarete, Marietta e eu) um stand pequeno, mas belíssimo, no Hotel Nacional, na zona sul do Rio de Janeiro. A duração foi de 04 dias.
.
Lembro-me que estava disposta a falar do Senhor Jesus Cristo a todas as pessoas que ali me procuravam. Levei 1.200 exemplares dos meus livros (“Colar de Pérolas” e “Meu Cristo é a Verdade”), 200 Novos Testamentos, 500 Evangelhos de João (da Trinitariana), 200 perfis do Senhor Jesus Cristo e 200 cartas do Apóstolo Paulo a Filemom - em versos - para serem distribuídos gratuitamente, além de 1.000 kits de cosméticos em miniatura, contendo cremes de beleza.
.
Produtos para vender no congresso? Nenhum! Não pretendia ganhar dinheiro, mas apenas falar das riquezas do amor de Cristo, nosso Salvador (Efésios 3:18-21). Margarete e Marietta disseram que eu estava ficando “fanática demais”, porém acabaram concordando comigo.
Lembro-me que as mulheres (e gays) faziam fila para me conhecer e me abraçar pessoalmente. Algumas delas eram tão efusivas, que ao me abraçar, gritavam: ”Meu Deus, que honra, abraçar a Mary Schultze!”. Aquilo me deixava tão mal que eu logo afastava delicadamente essas admiradoras e começava a lhes falar do Evangelho. Em seguida elas saíam dali carregadas de brindes para enriquecer a alma e embelezar o corpo.
.
Suportei 3 dias de tormento e no quarto, de tanto elas me pedirem artigos para comprar, resolvi levar uma Kombi cheia de produtos de beleza (nossa linha era grande), os quais foram logo vendidos, e quando o congresso terminou, levei para casa um enorme bolo de cheques. Nesse mesmo dia, a diretora do congresso me procurou (completamente destruída), pedindo oração e dizendo que havia uma fofoca circulando pelo congresso: “Esse congresso é uma quadrilha de Ali Babá e os 40 ladrões. Apenas a Mary Schultze não está roubando ninguém, porque só sabe falar de Deus!” Essa foi a maneira como o Senhor me honrou, aprovando o testemunho que eu havia dado.
.
No dia seguinte, comecei a separar os cheques para depositar e, de repente, senti um enorme cansaço da vida, comecei a chorar e assim fiquei por mais de duas horas, até que não tive mais lágrimas para derramar.
.
O fardo fora pesado demais para mim! Foi nesse momento que descobri como o sucesso é cansativo e como as pessoas que estão no topo são infelizes! A partir desse dia, deixei de freqüentar congressos e sempre mandava Margarete e Marietta em meu lugar. O único que freqüentei foi em Miami (1992), porque ainda não conhecia os States, tendo aproveitado para fazer compras em Nova York.. .
.
Nunca tive estrutura física nem mental para receber muitas demonstrações de admiração! Gosto de ser eu mesma e quando me aposentei - após ter vendido a empresa, dividi tudo com as filhas e os empregados, comprei um pequeno apartamento em Teresópolis (RJ) e vim morar aqui (em 1995) com a disposição de me dedicar inteiramente à obra do Senhor Jesus Cristo. Desde então, por ter-me dedicado à Apologética, tenho recebido mais pauladas do que elogios... o que é ótimo para o meu crescimento espiritual!
Louvado seja o Nome do nosso grande Deus e Salvador - Jesus Cristo!
.
Estes têm sido os melhores anos de minha vida. Não encontro pessoa alguma me bajulando, mesmo tendo dezenas de amigos nesta cidade... Agora posso ser eu mesma, levando uma vida normal, neste pequeno apartamento de 50 metros quadrados , decorado com simplicidade, digitando carinhosamente minhas contundentes mensagens evangélicas. Aqui, posso me dedicar à obra do Senhor, sem o constrangimento de parecer melhor do que realmente sou.
Só uma coisa ainda não consegui aprender: a andar vestida com simplicidade. Gosto de me vestir com esmero, usando roupas e adereços combinando. Contudo, isso é bom, porque as pessoas me dispensam atenção, em toda parte. Sempre que isso acontece, volto no dia seguinte e ofereço uma apostila a quem me atendeu com carinho! Assim “me porto com sabedoria, aproveitando as oportunidades”, como Paulo nos aconselha (Colossenses 4:5), e entrego o Evangelho (NTs da Trinitariana) embrulhado como um presente.
.
As pessoas ricas e famosas são muito infelizes. O Senhor disse que onde está o nosso tesouro aí está o nosso coração. Viver uma vida simples é a melhor maneira de sermos felizes. Charles Swindoll diz isso e muito mais coisas verdadeiras em seu livro “Eu, um Servo?”, um dos melhores que li em minha vida cristã.

Mary Schultze, fevereiro, 2009.
www.maryschultze.com