O Povo Na Rua em Junho

Como muitas coisas que se esperavam acontecer no nosso país e não aconteceu ou sequer passou perto, acredito que seja uma utopia isso acontecer, muito embora seja essa a vontade de muitos brasileiros nos quais me incluo. Podem até me criticarem, não vejo com bons olhos os rumos que estão tomando e querendo nos fazer acreditar que está certo. Digo isto fazendo um comparativo do que já "ví" ao longos dos anos que tenho vivido. Não aceito essa cegueira que está sendo imposta, me incomoda muito ver tudo isso passando a nossa frente e os poderes constituídos envolvido nessa lama que mas se assemelha a uma areia movediça. Me preocupa o país que estamos construindo, vendo ser construído, permitindo que se construa e acomodados não esboçarmos qualquer resistência ou manifestação. Mas me refiro algo de concreto e de caráter sério, como pede a situação, não como estão fazendo, que mais parece uma algazarra; manifestações pontuais, mas sem natureza de mostrar o que se quer, onde e em que tempo ou seja sem propósitos definidos. Conversando com um colega ontem, voltando de uma viagem de trabalho, sobre assuntos pertinentes a esse caos que estamos vivendo, ele fez uma colocação interessante; Disse ele que o brasileiro só sai as ruas para fazer alarde, em três circunstâncias: Carnaval, comemorar a vitória do seu time ou pra parada gay. Infelizmente temos que concordar, pois é isso que temos visto acontecer. Fomos condicionados de que só precisamos de pão e circo, e estamos assistindo cirandarem com nossos valores de vida, achando que tudo isso é normal, aceitável e sem retorno, numa acomodação nociva e profunda. 
Medo da justiça que é praticada hoje só os cidadãos honrados e cumpridores de seus deveres, mas os bandidos outorgados nem se incomodam e até riem dos que acreditam que algo vai acontecer com eles.    


Júnior Brito em 28 de Setembro de 2013